Páginas

barco corpo ~

esse corpo
esse barco sem porto onde pare
desasossego placidez desafio sem final
puro disparo
sinapses orgasmos êxtases
com templo amoral espelho da mente
qual a estação do dia? > lua maré lucidez água fria
arrepio cansaço peso vivo alforria
tua língua mágica descobrindo meu céu
explosão de estrelas e brinquedos pela casa
simples sol fresta bóia janela
poeira que dança sem chão
e dançar é ser vivo
a poeira mais viva que muitos que bastam
a rotina a pré visão do tempo do dia da noite do encontro
isso que nos mata aos poucos sem descanso
o mover desprever arriscar ter meu corpo
colado no teu e ver no que dá
descobrir desnudar despudorar os encontros
corpo base disparo deslumbre confronto
corpo dor corpo faca penumbra teu gosto
corpo marca que fica perdida no espaço
cor da luz que vibrou quando achei o ponto
sincronizados
explodimos
num sopro só >

Um comentário: